Mestres do Universo: Salvando Etérnia – Parte 2 – Ele voltou com tudo!

Confira o review da part 1 clicando aqui.

Se você caiu de paraquedas nesse texto para ver se a serie melhora na temporada 2, olha, eu tenho alguns comentários bem pertinentes. Começando com “eu achei ótima a parte 1” e essa continuação é boa, mas tem alguns pontos que me incomodam.

Recapitulando um pouco, o começo de Mestres do Universo retira He-Man de cena e coloca outros personagens em destaque, assim trabalhando esses antigos secundários de forma mais relevante e criando uma busca por uma solução para o problema de magia decaindo em Eternia. Uma jornada que ajuda a explorar a lore fantástica desse mundo, mostra a relação de He-Man com tais personagens e avança o plot antes infantil rumo a algo mais maduro. Colocando aqui de forma bem resumida.

Como tais personagens já foram bem explorados esses acabam caindo um pouco de lado para então tudo se focar novamente em He-Man e Teela. Isso logicamente vai agradar muitos, principalmente quem ficou de luto pelo herói na primeira parte. Mas talvez ainda desagrade os “anti-lacração” sem noção que ainda acreditam serem os verdadeiros fãs. E sim, eu vou apelar aqui nessa parte e comentar melhor com spoilers os pontos de desagrado, mas por enquanto foquemos no review básico.

Como visto ao final da parte 1, Esqueleto obteve a nova espada do poder, se transformando em basicamente um deus e pouco antes feriu Adam, a verdadeira identidade de He-Man. Logo a parte 2 continua exatamente deste ponto, parando somente para explicar um pouco do passado de Teela, Mentor e da Feiticeira.

Isso é muito bom pois enquanto outros personagens saem de cena, já é entregue quem vai ser mais explorado na parte 2. Conheceremos melhor o passado da Feiticeira e outros segredos de Grayskull, o príncipe Adam vai ter um maior destaque e o vilão esqueleto vai mostrar novos pontos sobre si mesmo.

Como são personagens que já foram bem explorados no antigo desenho, ou que são limitados, como é o caso da Feiticeira, boa parte dos trejeitos antigos se mantem, e a exploração é justamente em lados não vistos antes. Mas não se engane, como bem disse no começo, o foco central ainda é Teela e He-Man / Adam. O que acaba fazendo a Feiticeira e o Esqueleto serem mais pontos condutores do plot do que realmente uma grande tentativa de evolução. E os demais personagens que recebem um pouco de atenção acabam sendo influenciados por eles ou resolvem pequenos detalhes, como foi com a reconciliação de Adam e seu pai, o rei Randor.

Além disso Eternia quase não é explorada e fica tudo muito focado em Grayskull. Assim fazendo essa temporada lembrar bem mais o desenho dos anos 80. Algo que eu admito não gostar tanto. Aquela mudança inicial foi muito boa, principalmente pela variedade, e agora o anime deu um destaque bem maior a magia e lutas. Algo esperado, justamente pela aguardada volta de He-Man, mas que me pareceu mais sem alma.

Antes de me xingarem aqui, deixa eu explicar. Eu nunca fui fã da ideia de remover He-Man de cena, apenas acho um recurso narrativo muito bom. E era super previsível que o carro chefe da Hasbro ia voltar. E ali estava o grande herói do poder de forma magistral. Tivemos Adam se mostrando mais heroico, uma versão alternativa de He-Man e então finalmente, no clímax, a sua forma tão conhecida. “Pelos poderes de Grayskull!”

Sim, He-Man não está em tela o tempo todo. Até porque ele é praticamente um deus ex machina. Ou seja, apareceu, venceu. E é preciso ainda dar um pouco de tensão ao espectador. Personagens vão morrer novamente e vão existir situações bem apertadas. Porém sem metade do impacto que existia antes e em parte o mesmo ocorre com as lutas.

Mas não me veja mal, se tem em algo que a parte 2 é melhor, são as animações de batalha. Tem momentos realmente épicos que te deixam embasbacado e rindo à toa de tão foda que são. O verdadeiro Sakuga em serie norte americana. Algo que por si só vale toda a temporada.

O problema aqui é o foco. Principalmente no final. Não vou entrar em muitos detalhes sobre ele, para não estragar a série. Mas me pareceu ser algo corrido, com muitos pontos mal encaixados e quebra de ritmo constante. Tem sim ótimos momentos, mas a troca de foco entre he-man, teela e os demais definitivamente não funcionou aqui.

Masters of the Universe: Revelation: Part 2. Chris Wood as He-Man in Masters of the Universe: Revelation: Part 2. Cr. COURTESY OF NETFLIX © 2021

E não falo isso para remover Teela de cena, nem mesmo he-man. Eu falo de mudanças muito rápidas. Imagine você ter uma luta colossal, corta para uma conversa calma, volta na luta, de novo pro bate papo e assim vai, so que trocando muito rápido entre cada cena. E no meio disso “o meu deus apareceu o personagem Aríete!” por alguns segundos pra vender boneco, e volta ao loop.

Tu não precisa nem ver para entender meu ponto. É algo maçante. A serie ainda e boa, estou no hype da parte 3, mas poderia ter sido bem melhor. Tanto para mim como pro povo que reclamou do he-man e teela na temporada anterior. Mas nem a eles foi assim.

Buscaram agulha no palheiro para tentar manter os argumentos contra mulheres, basicamente. E agora foi a vez de Maligna virar alvo. Motivo? Ela teve destaque com algumas falas contra ela ser usada pelo esqueleto e teve 2 mudanças de visual, onde em uma destas ela está musculosa.

Tudo isso é intrínseco ao plot e faz total sentido, até mesmo os músculos, mas não, erro de roteiro, estragou minha infância, como diriam. So para continuar a falar asneira sem admitirem por completo como são machistas.

Sim, to metendo o pau mesmo, pois isso é errado em muitos níveis gente. E é preciso que acordem para ver isso. Achar o visual feio é uma coisa, mas dizer que é lacração so mostra o quanto você segue pelo caminho errado. Chega a ser algo infantil essa percepção.

E aqui encerro meu texto. Já dei uns murros, já mostrei os pontos bons e ruins desse anime, e acho que deixei tudo bem claro. Não foi uma temporada perfeita, mas bora em frente que ainda acredito em mestres do universo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.