On the Nanquim: Astronauta Magnetar

Quando vi Astronauta Magnetar na livraria eu tive que comprar o mesmo imediatamente e começar a ler, não so atraído pelo belo traço de Danilo Beyruth (Necronauta, Bando de Dois), mas também por ser uma releitura mais madura do meu personagem favorito criado por Mauricio de Souza.

Logo após ler eu tive de começar a escrever imediatamente sobre este quadrinho, por isso peço desculpas aqueles que estavam aguardando uma resenha de manga, mas nada melhor para começar a falar de quadrinhos no blog do que uma obra que marca um feito histórico nos quadrinhos brasileiros.

Astronauta Magnetar e o primeiro, de muitos eu espero, graphic novels pelo selo Graphic MSP, um projeto que tem como intenção lançar obras com os personagens de Mauricio de Souza pelo ponto de vista de outros autores brasileiros, assim como foi a coletânea MSP 50, porem desta vez em historias mais longas, com cerca de 70 paginas.

Logo no inicio vemos um traço mais maduro, com o astronauta ainda criança, em um breve momento na terra onde seu avô lhe ensina a sabedoria daqueles que moram no meio rural, alem mostrar um relato sobre desejos e escolhas.

Então chegamos onde queríamos, o espaço, onde o publico alvo é claramente separado com uma bela aula de física sobre um dos maiores mistérios do universo, o Magnetar, uma gigante onda de energia cósmica.

Para relatar tal grandiosidade o astronauta se lança ao espaço para adquirir o máximo de conhecimento deste evento, quando tudo da errado. Com a comunicação cortada e uma nave avariada ele passa a lutar pela vida em meio a lembranças e delírios.

Uma brilhante reconstrução feita sem ao menos alterar as características básicas do astronauta, pois mesmo em momentos de delírio tudo se remete ao que já conhecemos desse maravilhoso personagem, porem tudo feito cuidadosamente para transformar a historia em algo realmente dramático.

Agora é esperar saírem mais títulos pela MSP. Eu particularmente espero ver uma obra mais voltada ao terror usando os personagens de Turma do Penadinho, uma historia madura do Chico Bento, e talvez quem sabe um Horácio mais ao estilo de Gon.

OBS: Obrigado ao Sidney Gusman da Mauricio de Sousa Produções por me ceder as imagens para o post.

Texto publicado originalmente em 02/11/2012

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.